Apodi RN

Loading...

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

A ADMIRÁVEL INTELIGÊNCIA DO SERTANEJO (II).

 O  Sertanejo  nunca  perde, no  silêncio  do seu  trabalho  anônimo, o  gosto  pelas  altas  coisas  do  espírito. Ao  contrário  do homem  universal, habitante  das  metrópoles, que  é  pródigo  na  arte  da  dissimulação, o  sertanejo  evidencia  sua  postura  e  compostura  de   provinciano  incurável, acompanhada  por  uma  sinceridade  à  toda  prova.  Deles - os  sertanejos, poder-se-á  afirmar  que  alguns  falam  ligeiro  e  em  voz  alta, dando  a  impressão  de  que estão  permanentemente  irritados  com  a  vida  e  com  o  mundo  -  ledo engano.  Não  vivem  a  cochichar  covardemente  pelas  esquinas.  Diante  estes  rústicos  e honestos  homens de mãos  calejadas,  os fracos  se  calam - intimidados; os  medrosos  procuram  lugares  escusos  para  emitirem  suas  opiniões.  Como operador  do  Direito,  fui constituído   advogado   por  um  rude  e  sincero  sertanejo,  para  fazer sua  defesa  e participar  da  audiência  para  concessão  da  sua  liberdade  condicional, em  um  processo  que  o  mesmo  respondia  por  lesão  corporal  de  natureza  grave, por ter decepado  com uma  foice,  a  mão  do  vizinho  do  seu  sítio, consequência  de  intriga  por  questão  de  divisa  das  terras  entre os  seus  sítios.   No dia  da  audiência,  aprazada  para  que  o  mesmo  fosse  ouvido  pelo  Juiz  e  passasse  a  cumprir  o  resto  da  pena  em  liberdade  condicional, acompanhei-o  como  seu  Defensor.  A  formalidade da  audiência  resume-se  às  advertências  que  o  Juiz  de Direito  faz  ao  apenado, de  que  o  mesmo  não  poderá  ausentar-se  da  cidade  sem  comunicar  à  justiça,via  advogado; Não  frequentar  bares  para  consumir  bebidas  alcóolicas, e  não  andar  portando  arma.  Após encerrada  a  audiência  e  cessadas  as  formalidades  legais, o  douto Juiz  dirigiu-se  ao  meu  constituinte, fazendo-lhe  a  observação  de  que  o  mesmo  era  prá  ter  evitado  o  violento  ato,   que  resultou  na  decepação  da  mão  do vizinho.  Do  alto de  sua  ingênua  sinceridade, o  meu  cliente  responde  nos  seguintes  termos:
 -  Mas  sêo  dotô, eu  num  tive  "curpa"  não!   -  Eu  botei  prá  cabeça, aí  ele  botou  o  braço  no  meio!
 Admirado  com  a  sinceridade  do  matuto, o  Dr.  Juiz  olhou  em  minha  direção, esboçando  ligeiro  sorriso, como  se  quisesse  expressar  a  admiração  pelo  fato  de   que  ainda  existia  pessoas  com  o  nobre  caráter  da  mais  pura  sinceridade, mesmo  que esta  sinceridade  o  prejudicasse.  é  certo  que  em sua  maioria,  são  taciturnos,assim  meio  desconfiados, e  aparentemente  insociáveis, fazendo  com  que  os  imaginemos  como  um  depósito  em que  fermenta  o  vinho  do  despeito  e  da  revolta. No  entanto, não  há melhor  alma, nem  coração  mais  limpo.  Conduzem  sempre  uma  sinceridade  e  um  ar  resoluto  que  caminham  juntos, no  seu  viver  cotidiano.  Neste  contexto, cito  o  grande  amigo  e  conterrâneo  GERALDO  DE  ANTÕIZINHO,  que  em  seu  falar  com  a  língua  um  pouco  presa, ao  ser  perguntado  sobre  seu  nome, costuma  falar  se  chamar  "Gelaldo  de  Antõizin". Pois bem -  num  é  que  este  nobre  Apodiense  é  um  dos  melhores  eletricistas  da  cidade, e como  tal  foi, certo  dia, contratado  para  fazer  a  instalação  de  um  prédio  de  primeiro  andar.  Para  evitar  ser  sempre  procurado  pelo  Geraldinho, o  dono  do  prédio autorizou  o  dono  de  uma  loja  de  materiais  elétricos, para  que  entregasse  todo  o  material elétrico  que  o  Geraldinho  solicitasse,em  especial  fios  para  eletricidade.  Concluído   o  eficiente  trabalho, eis  que  o  dono  do  prédio  procurou  o  Geraldinho  para  efetuar  o  pagamento   pelos  serviços, ocasião  em  que  trazia  consigo  a  relação  da  quantidade  de  fios  elétricos solicitada pelo  "Gelaldinho".  Olhando  bem  nos  olhos  do  "Gelaldinho",  o  dono  do  prédio  perguntou  ao  mesmo:
 -  Ô  Geraldinho,  onde  tá  toda  essa  ruma  de  fios  elétricos  que  você  pegou  na  loja  de  sêo  Leonildes? 
 "Em  cima  da  bucha"   e  sem  gaguejar,  o  lépido  e  fagueiro  "Gelaldinho"  respondeu, de forma  conclusiva:
-  Mande  bater  um  raio  X  do  "plédio"! 
Desnorteado  com  a  inteligente  saída  do  "Gelaldinho",  só  restou  ao  dono  do  prédio  se  conformar  com  a  resposta, pagando  os serviços, não  sem  antes  exclamar:
  -  Num  tem  mesmo  jeito  prá  você  mesmo  não,  Geraldinho! 
Qual  não  foi  a  admiração  que  os  presentes  à  esta  cena  ficaram  tendo  do  "Gelaldinho  de  Antõizin".   É  necessário  frisar  que  o  sabido  "Gelaldinho"   protagonizou  outra  cena  por  demais  engraçada.  Contou-me  um  conterrâneo  que,  certo  dia,  o  "Gelaldinho"  se  encontrava  a  fazer  uma  instalação  na  fachada  de  uma  casa,trepado  numa  escada -  isso  lá  por  volta  das  cinco  horas  e  meia  da  tarde, ocasião  em  que  o  seu  ajudante  se  encontrava  segurando  a  escada.  Como  o  sol  já  começava  a descambar  no  horizonte, anunciando  breve  anoitecer, eis  que  o  ajudante  pôs  a  chamar  o  Gelaldinho, de  forma  insistente: 
 -  Avie  Geraldinho!  Já  tá  quase  anoitecendo  e  eu  quero  ir  prá  casa  arrochar  minha  mulher! 
 forma  espirituosa,  eis  que  o  Geladinho  olha  prá  baixo  e  encara  o  ajudante, dando-lhe  uma  contundente  resposta:
-   Deixe  de  ser  besta  cabra  besta!...  Enquanto  você  vai  arrochar  ela  os outros  vão  é  "aflochar" !
Ao  presenciarem  e  ouvirem  tão  inteligente  e  espirituosa  resposta  do "Geladldinho"todos  caíram  em  espalhafatosas  "gargalhadas".
Amenidades  à  parte, verdade  seja  dita  que  o  amigo Geraldinho  é  um  trabalhador  incansável, entrando  quase  sempre  pelas  altas  horas  da  noite, inclusive  madrugada  afora, para  honrar  com  o  compromisso  do  prazo  para  entrega  do  serviço  contratado  por  empreitada  ou  por  diárias.  Saudemos  o  produtivo  Geraldinho  de  Antõizin,  o  qual  tenho  a  honra  de  privar  de  sua  amizade  há  cerca  de  40  anos.


Por Marcos Pinto.

Nenhum comentário: