Apodi RN

Loading...

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

A ADMIRÁVEL INTELIGÊNCIA DO SERTANEJO (I).


O  sertanejo, em  sua   trajetória  indefinida, traz  sempre  um  fator  motivante  servindo  como  referencial  em  sua  humilde  geografia  humana.  Daí,  a  importância  da  admiração  e  respeito  que  devemos  cultuar  para  com  aqueles  que  já  são  detentores  do  famoso  "DIPLOMA  DA  VIDA", perfilados  pelas  longevas  e  venerandas  idades.  Quantas  imagens  acumuladas  e  amalgamadas  na retina  do  passado, escoando  no  estuário  do  rio  da  saudade  chamado  CORAÇÃO!.
                    As  refundidas  observações, contumazes  e  incessantes,  tem  proporcionado  grandes  evoluções na  performance  do  rústico  sertanejo, melhorando  sua  inter-relação  na  azáfama  dos  dias  sempre  cheios  de  interrogações.  Reside  aí  o  nascedouro da  admirável  inteligência  da  alma  sertaneja, caldeada  pelo  sangue  mameluco  com  o  africano. Alguns fatos  cotidianos  vividos  pelos sertanejos, ainda  páiram  elencados  pela  tradição  oral, evidenciando  a  certeza  da  verdade  histórica.  Tratando-se de  coisas  do  meu  amado  sertão, costumo  fazer  incursões   ao  nostálgico  passado, em  inconfundíveis  vôos  rasantes. Não  raro, penetro  no  interessante das  denominações  sertanejas, referentes  à  coisas, pessoas, lugares, profissões  etc.
                    Contou-me  um  amigo  cearense, que  o  seu  avô  trabalhara  na  construção/implantação  do  ramal  ferroviário  ligando  a  cidade  de  Fortaleza  ao  Crato, durante  o  período  1905-1910. Em  breve  relato, esclareceu  a  origem  e  o  por  quê  da  denominação  BAITOLA, que  o  sertanejo  costuma  "batizar"  aos  que  optam  pela  prática  da  sodomia. Segundo  o  amigo, este  denominativo  vincula-se  ao  fato  da  chegada  de  um  engenheiro  de  origem  inglesa  ao  Ceará, para  dirigir  os  trabalhos  da  implantação  da  referida  linha  férrea,  começando  pelos  trabalhos  de  nivelamento  até  o  da  fixação  dos  trilhos, com  a  severa  observância  das  escalas  topográficas.  Como  o  engenheiro  inglês   tinha  pouco  tempo  de  residência  no  Brasil, expressava-se  demonstrando  um  português  sofrível, trocando  letras  e  nomes  no  emprego  da  palavra  exata, exigível  para  a  oportunidade. Dado  essa  dificuldade  em falar  o  idioma  português, acentuavam-se  os  rompantes  de  raiva, numa  contundente  manifestação  de  ignorância  no  trato.                                    
                      Certo  dia,  o  afobado  inglês, acossado  pelo  sol  causticante  do  meio  dia, dirigiu-se  aos  operários  em  voz  alta  -  os  conhecidos  berros, ocasião  em  que  chamou-lhes  a  atenção  para  a  verificada  irregularidade  quanto  à  bitola, que nada  mais  é  do que  a  distância  entre  os  trilhos  de  uma  via  férrea. Ocorre  que  o  dito  gringo  escrevia  o  nome  bytola, ao  invés  de  bitola.  Sabe-se que  a  pronúncia  das  letras  BY  em  inglês  soa  como  bai.  Neste  contexto, o  inglês  falou, aos  berros:                                                 
 -  "Quando  vocês  pregar  trilhos  ter  cuidado  com  baitola!   -  dando  destaque  a  esse  último nome.      Como  o  engenheiro  tinha  maneiras  e  "trejeitos"   efeminados, os  cassacos  ficaram  cismados  com  o  mesmo, sendo certo  que, no  outro  dia,  ao  verem-no  ao  longe, caminhando  em  sua  direção,  de  bate-pronto  fizeram  a  seguinte  observação:                         
 -  Lá  vem  o  engenheiro  BAITOLA.                                                                                                            Desse  dia  em  diante  o  neologismo  BAITOLA  ficou  enraizado  no  linguajar  sertanejo  como  referencial  à  homossexual.  De  baitola (Com  a  vogal  O  sem  acento)  para  BAITÔLA   foi   um  pulo.   Há  um  fato  histórico  que  até  hoje é  contado  na  cidade  e  na  zona  rural   de  Apodi, em  que  um  humilde  agricultor  de  nome  ANTONIO  MOREIRA, residente  no  sítio   "Santa  Rosa"  deu  um  bela  lição  de  inteligência  no  padre  Renato  Menezes, que  dirigiu  a  paróquia  de  Apodi  no  período  1939 a  1951.  Contam que  o  lépido  e  fagueiro  Antonio  Moreira  todos  os  dias  de  Sábado  vinha  até  a  cidade  para  "fazer  a  feira", ou seja, comprar  gêneros  alimentícios  para  sustentar  a  sua  prole, não  sem  antes  assistir  a  missa  matinal.  Ocorre  que  o  Antonio  Moreira, de  forma  ingênua, acendeu, durante  a  missa, o  seu  inseparável  cigarro  de  palha - o  famoso  "brejeiro", ocasião  em  que  espalhou  no  ar  grandes  baforadas  com  o  cheiro  característico/enjoativo.   Este  incidente  deu-se  exatamente  quando  o  padre estava  pregando  o  sermão  bíblico.  Sempre  atento  aos  fiéis  paroquianos, eis  que  o  Padre  viu  a  fumaça  do  cigarro  traçando  trajetórias  no  meio  dos  fiéis.  À  muito  custo, controlou  sua  ira,  deixando  para  destilá-la  quando  terminasse  a  santa  missa. Concluído  o sermão,  eis  que  o  padre  Renato  dirigiu-se  até  o  último  banco,  onde  o  tranquilo  Antonio  Moreira  se  encontrava, já  com  outro  cigarro  aceso. 
Com  visível  olhar  iracundo, padre  Renato  dirigiu-se  a  Antonio  Moreira  nos seguintes termos:                                 
  -  Ô  Antonio  Moreira, você  não  vê  que  não  se  deve  fumar  dentro  da  Igreja?                
  -   Mas  padre  Renato,  é  que  eu  não  me  vejo  -  respondeu  Antonio  Moreira, sem  pestanejar.                                            
 Ainda  esboçando  grande  raiva, o padre  Renato  esbravejou:                                                     
 -   Pois  Antonio  Moreira, você  prá  animal  só  falta  o  rabo!                                                 
 Sem  se  deixar  contaminar  pela  ira  do  reverendo  padre,  o  Antonio  Moreira   sapecou:         
 -   Apôis  padre, me  empreste  o  seu, que  é   pra  mim  ficar  completo!                                 
 Ciente  de  que  o  Antonio  Moreira  não  era  homem  de  levar  desaforo  prá  casa,  só  restou  ao  padre Renato  "colocar o  rabo  entre  as  pernas"  e  sair   ruminando  sua   raiva, falando  entredentes.  
 O  certo  é  que  depois  deste  sério  incidente, nunca  mais  o  Antonio  Moreira  voltou  a  frequentar  a  missa.


 Por Marcos Pinto.

Nenhum comentário: