Apodi RN

Loading...

sexta-feira, 28 de junho de 2013

SESI Realiza palestra nas cerâmicas T MELO I e II. Apresentando o projeto "Essa Empresa faz escola"

Uma proveitosa palestra foi realizada na sexta feira 21/06/2013, debaixo dos galpões das cerâmicas T MELO, ministrada pelo SESI com a parceria do grupo T MELO, destacando o projeto "Essa Empresa faz escola", buscando incentivar a educação dos seus colaboradoras.
Vinicius, fala da importância desse projeto do SESI
Alex, reforça, falando que a educação traz uma melhor qualidade de vida
Todos engajados no projeto: Essa Empresa  faz escola
Todos demonstraram com convicção, a necessidade de aprender
A participação das dinâmicas foi geral

quinta-feira, 27 de junho de 2013

ANTIGOS VAZANTEIROS DA LAGOA DE APODI.


          A   história  universal  prega que  o  rio  Nilo  é   a  dádiva  do  Egito.  Partindo  desse  contexto, pode-se  afirmar  de  forma  incisiva   que a  Mãe-Lagoa   de  Apodi   é  a  dádiva  da  cidade.   Não  existe  família  apodiense  que, por  mais  tradicional  que  seja, não  tenha  sobrevivido  do  arroz, feijão  e  batata  doce  oriundos  das  vazantes  da  lagoa, cujas  margens  enchem  de  verde  aquelas  paradisíacas  paragens  conhecidas  como  Poço da  Matuta, Poço dos  Homens, Bico  da  Croa, Despejo, Passagem do  Carcará, (Por  onde  a   lagoa  recebe  água  do  rio)  Ponta  D'Água, Merêncio, Vertentes, Garapa, Largo, Estreito, Horto  Florestal  etc.
            Posso  até  citar  nomes  de  grandes  expressões  da  geografia  humana  de  Apodi  que  brilharam  além-fronteiras  do  Apodi, como  os  Srs. Osmídio  Jovino, Raimundo  Jovino de  Oliveira (Foi Prefeito em Mossoró -  no  período  01.11.1932/21.09.1933)João  Cantídio  de  Oliveira, Raimundo  Cantídio  de  Oliveira (Avô materno de  Elano  Cantídio, médico-proprietário  da  Clínica  Oitava  Rosado, em  Mossoró), industriais  que  se  projetaram  nos  destinos  de  Mossoró, como também  Francisco  Izódio  de  Souza (Prefeito  em  Mossoró  no  período   1911-1913) Luiz  Colombo  Ferreira  Pinto (Tio  de  Alice  Pinto, e que foi  Prefeito  de  Mossoró  no  ano  de  1927), Rubens  Pinto (Pai  de  Hugo  Pinto, dono  da  loja  de  eletrodomésticos  H.F.Pinto).
              São  chamadas  Vazantes  aqueles  terrenos  dos rios, açudes, lagos  e  lagoas  que  são  inundados  no  período  invernoso  e  que  vão  sendo  pouco  à  pouco  descobertos, tornando-se,  assim,  agricultáveis.  Nas  margens  da  lagoa  de Apodi, especialmente  nos lugares  denominados  de  Despejo,Merêncio  e  Ponta  D'água  é  onde  estão  localizadas  as  melhores  vazantes, cujo solo  apresenta  um  perfil  areno-argiloso, onde  o  vazanteiro  faz  as  suas  conhecidas  covas  ou  leiras, onde  geralmente  plantam  arroz   vermelho, feijão,milho, abóbora,  batata-docem melão  e  melancia, além  de  capim.
               Estudos  comprovam  que  a  água  da  Mãe-Lagoa  de  Apodi   baixa, por  evaporação, cerca  de  20  centímetros  por  mês.  Variando  com  a  declividade, o  abaixamento mensal  do  espelho  d'água  em  20  centímetros  tanto  pode  descobrir  meio, como  cincou  ou  dez  metros de  solo  para  plantio.  Estes  terrenos  geralmente  dispensam  adubação, dado  sua  reconhecida  fertilidade  representada  pelos   adubos  naturais  trazidos  pelas  águas  pluviais. Influi  muito  a  rapidez  com  que  baixam  as  águas.
                Os   conterrâneos  que  sobrevivem  às  expensas  das  vazantes  são  detentorer  de  larga  saúde, fruto  do  alimento  sadio, sem  o  emprego  de  nocivos  agrotóxicos.  Fazendo  jus  ao  título, evoquemos  os  velhos  vazanteiros  sob  a  nostalgia  de  intensa  saudade, uma vez  que  cerca  de  95%  já  receberam  o  chamado  do  Pai  Eterno, vivenciando  a  faixa  silente  da  eternidade.  Imagino  quão  alegre  era  a  vida  dos  vazanteiros, colhendo  o  fruto  dos  seus  suores  diários  e  convivendo  com  aquela  amplitude  do  verde  que  contagia  de  alegria  a  alma.  O  zelo com  suas   plantações  não  dispensava  a  atenção  em espantar  os  pássaros  que  procuram, insistentemente, consumir  os cachos  de  arroz  no  período  da  colheita.  Os  pássaros  mais  comuns  são  os  Tizius  saltitantes, os  canários, as  graúnas, os miúdos  e os  cabeças-vermelhas.  A  estratégia  para  espantá-los  consiste  em  ficar  trepado  em  uma  espécie  de  jirau  feito  com  varas, e  ficar  puxando  um  cordão  ou  corda  estirado  e   atado  a  latas  com  pedras  dentro, o   que  ao  ser  puxado  com  força  agitava  as  pedras  e  fazia  barulho,  espantando  os  pássaros.
               Nas  vazantes  do  "Despejo"  tínhamos  os  seguintes  plantadores/vazanteiros:  Paulino  Caveja, Batata  de  Paulino, Beija  Curinga, Nelson Lucas, Antonio  Padre, Lucas  Reinaldo (Pai  de  Elísio  Reinaldo)  Manezim  Reinaldo, Severino  Gato, Joaquim  Pompílio, Cícero  de  Dino (Pai  de  Chavinha), Tico  de  Enéas, Vitor  Jararaca, João de  Dodô (Irmão  do  coronel  Lucas  Pinto)  e  Zé  Raposo, que  plantava  algodão  nas  Crôas.
                No   lugar  "Merêncio"   as  pequenas  glebas  de  terras  eram  plantadas  pelos  Srs. João  Raposo, Chico  Raposo, Bolota de  Raposo, Chico  de  Cota, Vicente  Maia, Miguel  Guarda, Manoel  Dantas (Sacristão  da  paróquia  de  Apodi  durante  40  anos) Zé  de  Cândido, Raimundo  Braz, Toinho  Torres,, Pereira  Torres, Chico  Torres, Bento  Tito, Chico  Tito  (O Velho), João  Menino, Beinho,  Lozo  de  João  Menino, Chico  Inglês, Mané  Inglês, Lulu  Inglês  e  Chico  Sinfrônio.  Na  parte  que  compreende  a  "Ponta  Dágua"  os  da  família  Inglês  também  plantavam, como  também  os  da  família  TITO,  sendo  maior  parte  pertencente  ao  meu  avô  paterno  Aristides  Pinto.  Na  evocação  do  tempo, foram  homens  que contribuíram  para  o  progresso  da  cidade, mesmo  que  de  forma  humilde.  Eis  o  resgate  dos  velhos  e  saudosos  vazanteiros  da  lagoa  de  Apodi.
 
 Por Marcos Pinto (Historiador apodiense)

domingo, 2 de junho de 2013

ALGUNS FATOS QUE ACONTECERAM NO MÊS DE JUNHO AO LONGO DA HISTÓRIA DO APODI

NOSSA HISTÓRIA

04 DE JUNHO DE 1936
   
Falece no Apodi o historiador Nonato Mota. Era o segundo filho  do casal José da Mota Ferreira Zuza e Emília Anacildes Fernandes bonavides. Era casado co Francisca Praxedes Fernandes Mota. Deste casamento nasceram 13 filhos. Escreveu interessante trabalho sobre a história do município do Apodi, intitulado “Notas Sobre a Ribeira do Apody”, em que se acham relacionados fatos e acontecimentos do passado, informações, transcrições de documentos, sendo bastante útil para estudos.
     O trabalho deste historiador apodiense foi publicado na Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Norte, Vols. XVIII e XIX, nº 1 e 2, 1920/1921.
    Valter de Brito Guerra, outro apodiense abnegado pelos fatos históricos da sua terra natal, faz parte da plêiade perscrutadora do passado,  inseridas nas honrosas pessoas de Manoel Coriolano, Nonato Mota e José Leite.





02 DE JUNHO DE 1960
   
Neste dia prestigiosos lideres políticos apodienses (abaixo nominados) enviam telegrama de adesão à candidatura do deputado Aluizio Alves ao governo do RN.
   Eis o teor na íntegra:
  Apodi – 2
  “Temos o prazer de comunicar que nesta data resolvemos apoiar as  candidaturas de Aluizio Alves e Monsenhor Walfredo Gurgel,  que terão neste município espetacular vitória.
Os candidatos da esperança receberam aqui as maiores manifestações de apreço e solidariedade.
(aa) Luiz Galdino, Antonio Silva Pinto, Francisco Paulo Freire, Manuel Antonio de Sousa, Josué Câmara, Aristides Ferreira Pinto, Dr. José Pinto, Francisco Moreira de Souza, Francisco Torres, Itamar Maia, Aurino Gurgel, José Sabino, Manoel Libânio, Valter Guerra, Julio Marinho, Francisco Felinto, João Manequim, Fernandes Souza, Celso Marinho, Francisco Holanda Cavalcante, João Benicio, Joel Canela, Ari Amorim, Agostinho Sancho, Paulo Nascimento, José Firmino, João Noronha, Abílio  soares, João Batista Oliveira, Luiz Marcolino Costa, José Patrocínio do Rosário, Raimundo Simplício e Robson Lopes.




08 DE JUNHO DE 1960
    
Neste dia o Cel. Lucas Pinto, encontrando dificuldades em conseguir eleitores para Djalma Marinho e Vingt Rosado, resolve por o retrato de Aluizio Alves em seu jeep.
  Arguto, percebera que o povo de Apodi cedera ao carisma do “cigano feiticeiro”.
Tornava-se público, assim, a adesão do velho chefe político oestano. Antes era assunto  de bastidores.




09 DE JUNHO DE 1966
   
    Através do decreto nº 4.478/66 desta data, foi criado o Ginásio Estadual “Professor Antonio Dantas”. O insigne historiador Valter de Brito Guerra, em seu memorável livro “Apodi, Sua História” faz a necessária observação de que “a distância que separou a criação da primeira escola pública em Apodi  (15 de outubro de 1827) e a  instalação do Ginásio revela o atraso da educação do Estado e no Município.
   O Ginásio Estadual “Professor Antonio Dantas” teve como 1º Diretor o Bacharel em Direito Francisco Alcivan Pinto, Homem de elevados atributos intelectuais. 





02 DE JUNHO DE 1974
   
    O padre José Freire de Oliveira Neto é ordenado Bispo da diocese de Mossoró, em solenidade acentuadamente concorrida.
   Com muita fé e dedicação cristã, ordenara-se Padre em Roma, recebendo os mais elevados votos de distinta estima e consideração dos cardeais do vaticano.
 Os anais históricos da cidade de Apodi  foram enriquecidos com essa eminente trajetória sacerdotal de um abnegado filho da terra.









O texto foi tirado do livro Datas e Notas Para a História do Apody volume II,  do escritor Marcos Pinto.