Apodi RN

Loading...

sexta-feira, 20 de abril de 2012

RELEMBRANDO O PASSADO

Marcos Pinto
VOU-ME  EMBORA  PRU  PASSADO  -  UMAS  PESSOAS,  UMAS  HISTÓRIAS  E  UMAS   SAUDADES (I).      
      Em  meio  à  agitação  dos  dias  atuais  agradeço, todos  os  dias, ao  DEUS  todo  poderoso  e de  infinita  bondade, por  ter  me  proporcionado  a  felicidade  de  ter  nascido  em  Apodi, e  de  fazer  parte  da  sua geografia  humana, caracterizada  por  inconfundível  senso  de  solidariedade  humana.  Transfiguro-me  em  menino, todas  as  vezes  que  volto  à  terrinha  amada  e  nunca  esquecida.  Minha  saudade se  espraia  num  estuário  de  recordações, como  a  divisar  entre  os  silêncios  do mundo  o  desfilar  das  emoções  antigas, cheias  de  fidelidade  evocadora.
          Diante  o  desenrolar  dessa  fita  da  saudade, passada  no  CINE  ODEON  do  meu  passado, vejo  a  inconfundível  figura  de  Sêo  JOÃO  DE  QUINCA, com seu  corpo  rechonchudo, desempenhando  seu  ofício  como  componente  da  BANDA  DE  MÚSICA  DA  FUNDEVAP (Fundação  Para o  Desenvolvimento  do  Vale  do  Apodi)  tocando  num bombo - isto  lá  pelos  idos  dos  anos  de  1966  a  1969.  Integrante  da  tradicional  família  NORONHA, gozava  da  elevada  estima  de  seus  conterrâneos, com  também  daqueles  que  vinham  de  outras  cidades  para  cumprirem  alguma  meta  na  então  tranquila  cidadezinha  do  interior.
Quando  Sêo  João  de  Quinca  enviuvou  e, passado  o  período  lutuoso  de  um  ano, passou  a  frequentar, quase  que  diariamente, a casa  de  uma  senhora  que  "ganhava  a  vida"  na  salutar  prática  do meretrício, Essa  deliciosa  prática  do sexo  fazia  com  que  Sêo  João  gastasse  dez  Cruzeiros  por  cada  investida.  Certo  dia, após  cumprido  o  prazeroso  exercício, Sêo  João  de  Quinca  perguntou  à   fogosa  amásia  quanto  é  que  lhe  devia, no  que  ela  respondeu  que  importava  em  Quinze Cruzeiros. Desapontado  e  com cara  de  surpresa, o  famélico  João  perguntou  o  motivo  do  aumento  do  preço  do "programa".  Qual  não  foi  o  seu  espanto  ao  ouvir  que  o aumento  dera-se  pelo  fato  de  que  o  preço  do  botijão  de  gás  butano  havia  subido  para  Quinze  Cruzeiros.  Como o ato já  havia  sido consumado, só  restou ao fogoso  João  pagar  o  preço  cobrado  -  mesmo  que  a  contragosto.  Depois  deste  susto  monetário, Sêo  João  de  Quinca  deixou  de  frequentar  a  casa  da  libidinosa  amante. 
Decorridos  cerca  de  três  meses, eis  que  Sêo  JOÃO  DE  QUINCA  depara-se, surpreso, frente  à  frente, com  a  ex-amante, exatamente  na  porta  que  dá  acesso  ao  açougue  público  municipal, ocasião  em  que  esta  dirige-lhe, à  queima-roupa, a   instigante  pergunta:

 - Ô  João, por  quê  você  não  foi  mais  lá  em  casa ?
   Sem  "arrodeios", o  desasnado  idoso   respondeu-lhe:
 - Enquanto  o  seu  "Tabaco"  for  à  gás  butano,  não  boto  os  pés  lá!.
         Visivelmente  envergonhada, só  restou   à  mesma  sair  de  fininho,  vermelha  "que  nem"  tomate.   Imagine-se  o  quanto  foi  difícil  para  os  circunstantes  manterem-se  sérios,  sem  dispararem  em  largas  gargalhadas.  O  certo  é  que  o  o  fogoso  João  faleceu  depois  de  dois  anos, em  forçoso  jejum  da  saborosa  fruta  da  sua  amada  Dulcinéia.

      Quando  tenho  o  prazer  de  encontrar-me  com  meus  conterrâneos  e   com  tempo  para  "tirar  um  dedo  de  prosa", costumo  afirmar  que  nossa  Apodi (cidade)  é  pródiga  quanto  à  existência  de  pessoas  espirituosas  e  gaiatas.  Quem,  em  Apodi, não  conhece  o  carrancudo  TETÉIA  DE  ADEMAR  CAVEJA, irmão de  Fãico, do  Bar  "Canto  das  Almas", alí  vizinho  ao  Cemitério  São  João  Batista?.  Pois bem: Em  um  dos  dias  do  carnaval  desse  ano, eis que  uma  conterrânea, residente  em  Natal, metida  a  rica  e  com  ar  e  pose  de  muito  importante, parou  o  seu  imponente  e  luxuoso  carro  em  frente  à  mercearia  de  Tetéia, que  se  encontrava  muito  bem sentado em uma  "cadeira  de  balanço", na  calçada. Se  fazendo  de  desconhecida/turista  e  fazendo  de  conta  que  não  conhecia  o  Tetéia,  sapecou  a  pergunta:

-O  Senhor  tem  pão de  Hambúrguer ?
           O  "cabreiro"  Tetéia,  se  fazendo  de  besta  e  também  fingindo  não  conhecer  a  boçal  conterrânea,  respondeu,  sereno  e  calmo:
Ainda encontra-se na mercearia de Teté
artigos não muito comum nos dias de hoje
-Tenho  não,  senhora!   A  Senhora  só  vai  encontrar  PAU  DE  BURRO  em  Mossoró, na  Loja  "Curral  Veterinário".
Mercearia  Frei Damião de Teté de Ademar
Diante  tão  inusitada  resposta, a  orgulhosa  conterrânea  engatou  a  marcha  do  veículo  e  saiu  "ciscando"  os  pneus,  mastigando  sua  incontida  raiva.

Ora,  o  Tétéia  lá  sabia  o  que  diabos  era  PÃO  DE  HAMBURGUER ?.  Criado  nos  moldes  sertanejos, assim  como  eu,  comendo  cuscuz  de milho  zarôlho, moído  naqueles  antigos  moinhos  de  marca  "Mimoso", e  de  vez  em  quando  saboreando  "pães  d'água" (Pães  franceses)  ou  então  "Pães  doces"  recheados  com coco,  comprados  nas  padarias  de  Zé  Bolacha,  Raimundo  Sena  ou  de  Josué  Marcolino, jamais  saberia  o  que  era  pão  de  hamburguer.



Marcos Pinto.


Nenhum comentário: