Apodi RN

Loading...

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

SUBSÍDIOS PARA A HISTÓRIA DA PARÓQUIA DE APODI (III) - AS VISITAÇÕES PASTORAIS.


    Dentre  os  eventos  ecumênicos, as  visitações  pastorais  assumem  papel  de  acentuada  relevância e  influência  junto às  populações  sertanejas, consolidando  o  imprescindível  processo  interativo  Igreja-povo.  Emblemáticos, os  padres  visitadores realizavam um  trabalho  missionário  denominado  de  "DESOBRIGA", que  constituíam-se  em  verdadeiras  cruzadas, e  tinham um  papel civilizador. Com  essas  visitações, os  padres  criavam  vínculos  espirituais, estabelecendo  relações  de  compromisso  entre  a  Igreja    e comunidades, que, muitas  vezes, estas  não tinham em  relação ao  Estado, enquanto  poder. O  papel  preponderante  das  visitações  eram  as  "Desobrigas" (Hoje quase em desuso) que os  missionários  faziam
em  princípio  de  cada  ano  aos  locais  mais  remotos do  sertão, levando os  sacramentos  às  populações  que  não  dispunham  de  assistência  religiosa  regular, devido  ao  próprio  isolamento  em  que  viviam  ou  à  ausência  de  padres  na  região.  O  nome  "Desobriga  refere-se ao  antigo  preceito da  Igreja  de  que  o  católico  é obrigado  ao  menos  uma  vez  por  ano, a  confessar-se  e  comungar. Nas  DESOBRIGAS, além  de  celebrar  missa, o  padre fazia  confissões, batizados  e  casamentos  em  grande  quantidade. Os padres  missionários, quando  chegavam  às  Vilas, lugarejos  distantes, opara  os  trabalhos da  DESOBRIGA, eram  hospedados nas casas  dos moradores, num  quarto  reservado  especialmente  para  eles. Essas  DESOBRIGAS/VISITAÇÕES  eram  objeto de  minuciosos  relatórios, descrevendo  fatos  que  revelavam  a  intensidade  com que  essas  experiências  foram  vividas. Representavam  o  encontro do universal  com  o  provinciano. Ao mesmo tempo, são  relatórios  reveladores  da  maneira  como  as  transforma (As desobrigas) em  linguagem  oral. Observa-se, nestes  relatórios,  uma  forte  presença  de  um  descrever  explicativo, cuja  característica  dominante  é  o  inusitado, o  surpreendente, o  incomum  da  experiência  vivenciada.  O tropo  linguístico  que  predominava  nos  relatórios  era  a  metonímia, bastante  distinta  do  narrar  popular, em que  um  tom  épico  está  constantemente  presente, realçado  pelo  uso  de  metáforas  e  ironias.
                             Algumas  vezes, observa-se nos  ditos  relatórios, que  os  PADRES  VISITADORES  de   antigas  marcas, criavam  em  seus  relatos  uma série de  quadros  representativos  do  passado  como  memória, estabelecendo  uma  proximidade  com  os  Cronistas.
Entretanto, embora  se  diferenciem  dos  narradores  populares, os  padres  -  como  outra  categoria  de  intelectuais  -  estudados  revelam um  exercício  de  reconstrução  do  passado  recomposto.  No entanto, essa  forma  de  reconstrução  da  memória  oral  não  significa que  num  mesmo  relatório  não venham a  aparecer  passagens  em  que  predominem  apenas  juízo  de  valor  ou  avaliações  generalizantes.
                          As  populações  sertanejas  atribuíam suma  importância  às  VISITAÇÕES  PASTORAIS.  A  prova  desta  assertiva  está  configurada  na  morte  súbita  da  matriarca  CLAUDINA  PINTO, esposa  do  Coronel  ANTONIO  FERREIRA  PINTO, ocorrida  a  31  de  Agosto  de  1902, aos  55  anos de  idade.  Ao  receber  em  seu  lar, a  visita  do  1º  Bispo  do  RN   Dom  ADAUTO  AURÉLIO  DE  MIRANDA  HENRIQUES, foi  acometida  por  forte  emoção, que  ocasionou  um  infarto  fulminante.  Os  VISITADORES  traziam  consigo  uma  missão:  Ensinar  as  camadas  populares  que  os  símbolos  religiosos  oferecem  uma  garantia  cósmica  não  apenas  para  compreender  o mundo, mas  também  para  que, compreendendo-o, dessem  precisão  a  seu  sentimento, uma  definição  às  suas  emoções  ou  lhes  permitir  suportá-lo, soturna  ou  alegremente, implacável  ou  cavalheirescamente.  Mas  esses  que  apresentavam-se  marcados  de  sabedorias  eternas, souberam, também, colocarem-se  no  lugar  de  aprendizes  e, como  artesãos, moldando  suas vidas, as  lições  extraídas  na  convivência  com  o  povo.  Vejamos  a  relação  dos  PADRES  VISITADORES  À  PARÓQUIA DE  APODI, segundo  o  celebrado  historiador  REINALDO  DE  LA  PAZ, em  sua  famigerada  obra  intitulada "A  DIOCESE  DE  MOSSORÓ":

*  PADRE  INÁCIO DE  ARAÚJO  GONDIM  -   Visitação  à  01  de  Outubro  de  1768.
*  PADRE  DR.  JOAQUIM  MONTEIRO  ROCHA  -   A   22  de  Julho  de  1778.
*  PADRE  DR.  MANOEL  VIEIRA  LEMOS  SAMPAIO  -  A  23  de  Fevereiro  de  1787.  
*  PADRE  DIONÍSIO  DE  SOUZA  BANDEIRA  -    A  19 de  Maio  de  1795.  
*  FREI    JOSÉ  MARIA  DE  JESUS  -   A   21  de  Maio  de  1795.
*  PADRE  JOSÉ  FEIO  DE  BRITO  TAVARES  -   A  03  de  Fevereiro  de  1801.
*  PADRE  ANTONIO  JOSÉ  ALVES  CARVALHO  -  A  01  de  Novembro  de   1806.  
*  PADRE  INÁCIO  PINTO  DE  ALMEIDA  CASTRO  -   A  24  de  Julho  de  1809.  
*  PADRE  MANOEL  DA  COSTA  PALMÉRIO   -    A   23  de  Agosto  de  1816.
*  PADRE  FRANCISCO  DE  BRITO  GUERRA  -     A  09 de  Março  de  1838.
*  DOM JOÃO DA PURIFICAÇÃO MARQUES PERDIGÃO(Bispo de Pernambuco)A 09 de Outubro de 1839.
*  PADRE  MANOEL   JOSÉ  FERNANDES  - A 16 de Fevereiro de 1849 e a 15 de Outubro de 1855.
*  PADRE  FRANCISCO  JUSTINO  PEREIRA  DE  BRITO  -  A  06  de  Outubro  de  1859.
*  PADRE  PEDRO  SOARES  DE  FREITAS  -  A   26  de  Novembro  de  1885.
 DOM  ADAUTO  AURÉLIO  DE  MIRANDA  HENRIQUES  (1º  Bispo  do  RN) -  
De  29  de  Agosto  a  02  de  Setembro  de 1902.
As  viagens  encetadas  por  estes  PADRES  VISITADORES  constituíam-se  em  árduas  caminhadas  por  precárias    estradas,montados  em  cavalos, onde  os  ranchos  para  pousadas  ficavam  muito  distantes  um  do  outro, o  que  faziam  com  que   passassem  por  privações  de  água  e  alimentação.  Neste  trabalho  evangelizador, semeavam  a  fé  cristã  como  o  único  caminho  para  a  salvação  eterna.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               Por Marcos Pinto.

Nenhum comentário: