Apodi RN

Loading...

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

CANGAÇO NO RIO GRANDE DO NORTE - A HISTÓRIA QUE NÃO FOI CONTADA (I).

 Em  um  dos  inúmeros  Seminários  promovidos  para  debater  a  história  do  cangaço, com  ênfase  para  seus  protagonistas,  ouvi ,  de renomados  estudiosos  desse  truculento  capítulo  da  historiografia  nordestina, que  ainda  há  muitos  episódios  e facetas  envoltos  em  abissal  mistério. Constata-se, à  exaustão, voluntariosas  e  inconsistentes  omissões  quanto  à  divulgação  em  livros  ou  em artigos  esparsos.  As  narrativas  equilibram-se   de  acordo  com  as
circunstâncias  e  tendências  em  conflito.  São  raros  os  historiadores/pesquisadores  que  evidenciam e deixam    uma lição  de  coragem  e  exemplo  de  independência, gestos  ratos  numa   época  de  subserviências  e  fraquezas  éticas. Foram/são  homens  de  diretrizes  certas  e  vontades  próprias, sob  a  tutela  das  quais  neutralizam os  velhos  vícios 
do  mandonismo  e  do  arbítrio.   Custeiam, com  recursos  próprios, as  suas  publicações  em  livros  e  opúsculos, para não  fazer  como tantos  que  se  atêm   com   deturpação  dos  fatos  e  distorção  da  história.  Já  é  perceptível  o  surgimento  de  um  segmento  entre  os  pesquisadores  sobre  o  cangaço, que  exorcizam  fatos  históricos  entregues ao  olvido.  À   esses, rendo  o  meu  preito  de  admiração  e  respeito,  inexpugnáveis.
       Os  capítulos  lacunosos  correm  num   estuário  de  espanto   e  de  mistérios.  Transbordam  pelas  barreiras    do  passado, para  espraiarem  na  planície  da  concretude  histórica.   No  desiderato  da  pesquisa  histórica, é  imprescindível  que  se   mantenha  uma  imparcialidade  quase   sobre-humana,  na  apreciação  dos  fatos  e  dos  homens.   Escoimando-se   os  fatos   deliberadamente   circunscritos  ao  olvido  e  a  um  silêncio  sepulcral.  Ainda  visualiza-se  a  predominância de  uma  perspectiva  de certo  modo  sombria  e preocupante  para  algumas  famílias  que  tiveram  alguns  dos   seus  membros  em  ativa  participação  no  processo  de  articulação  para  a  vinda de  Lampião  e  seu  bando  às  plagas  citadinas  da  região  Oeste  potiguar.  É  certo,  que  as  nuances  dos  ataques  banditícios   à  cidade  de  Apodi (10.05.1927)  e  à  Mossoró (13.06.1927)  reúnem  perspectivas  históricas  inéditas,  factuais  e  cronológicas, exaltadoras  de  minudências  que  configuram-se  em  instigante  libelo-crime  acusatório.  Isso, sem falar  em  provas  documentais  envolventes,  que  foram  deliberadamente  incinerados,  ou  perdidos  na  voragem  do  tempo.
CANGACEIROS DO BANDO DE ISAÍAS ARRUDA
      Observa-se,  em  pormenores, que  a  partir  do  ano  de  1919, final  do   incipiente  governo  de  Ferreira  Chaves (1914-1919)  instalou-se  um  clima  propício   à  criação  e  instalação  de   grupos  de  cangaceiros  na  região  Oeste  potiguar, processo  de  terror  que  contou  com  veemente  proteção  e  acumpliciamento de  algumas  figuras  carimbadas  do  judiciário  estadual.  Em  1919  o  então  governador  nomeou  Desembargador  os  Juízes de  Direito  Felipe  Guerra  e  Horácio  Barreto, este   sobrinho  de  dona  Alexandrina  Barreto, esposa  do  governador  Ferreira  Chaves.  Nesse  ano  instalou-se  no  então  sítio  BREJO  DO  APODI  o  grupo  de  cangaceiros  oriundos  da  serra  do  Pereiro, capitaneados  pelo  truculento  DÉCIO  SEBASTIÃO DE  ALBUQUERQUE, conhecido  popularmente  como  DÉCIO  HOLANDA, que  era  genro  do  não  menos  truculento  TILON  GURGEL.  Essa   Milícia  particular  passou  a  ter  integral   e  ostensivo  apoio  do  Desembargador  Felipe  Guerra,  que  era  casado  com  uma  irmã  de  Tilon  Gurgel.  Portanto, a  esposa  do  bandoleiro Décio Holanda (Chicuta) era  sobrinha  paterna  da  esposa  de  Felipe  Guerra.   No  ano  de  1915  aportaram  em  Apodi, para  fixarem   residência  e  à  convite  de  Tilon  Gurgel  e  Felipe  Guerra, os  virulentos  Juvêncio  Augusto  Barrêto, irmão da  esposa  do  governador  Ferreira  Chaves (D. Alexandrina  Barreto  Chaves)  e  Martiniano  de  Queiroz  Porto, com  fito  único  de  fazerem  acirrada  oposição  política  ao  Coronel  João  Jázimo  Pinto.   Juvêncio  Barreto  instalou-se  em  sua fazenda  "Unha de  Gato", onde   acoitou   jagunços  oriundos  do  Ceará, que  por  sua  vez  aliaram-se  ao  grupo  de  bandoleiros  comandados  por  Martiniano  de  Queiroz  Porto, oriundos  da  serra  do  Pereiro, no  Ceará.  Como  espécies  de  vasos  comunicantes,  esses  grupos  de  bandoleiros  aliam-se  ao   ignominioso  bando  de  cangaceiros  comandados  pelos  celerados  Benedito  Saldanha  e  seu  irmão  Quinca  Saldanha.  Surge  daí  o  consórcio  para   o  mal, composto  pelo  Juiz  de  Direito  José  Fernandes  Vieira, sogro de  Martiniano  Porto,  Desembargadores  Horácio  Barreto  e  Felipe  Guerra, com fito  único  de  acobertar  os  crimes  perpetrados  respectivamente  por  Juvêncio  Barreto (Tio  de  Horácio  Barreto)  Décio  Holanda  e  Tilon   Gurgel.
          No  contexto  do cangaceirismo,  destacaram-se  as  asquerosas  figuras  de  Júlio  Santana  de  Melo, que  por  ter  a  proteção  do  seu  mentor  Martiniano  Porto, com quem veio  para  o  Apodi,  passou  a ser  conhecido como  sendo  JÚLIO  PORTO, que  viria  a  constituir  amizade  com  o  bandido  Massilon  Benevides,  e  que  mais tarde  compuseram  o  nefando  bando de  Lampião, nos  célebres  ataques  às  cidade de  Apodi (10.05.1927)  e  Mossoró (13.06.1927). 
          Com  a junção  desses   04  grupos  de  jagunços/bandoleiros, capitaneados  respectivamente  por  Juvêncio  Barreto, Martiniano   Queiroz  Porto, Décio  Holanda/Tilon  Gurgel, e  Benedito  Saldanha  e  Quinca  Saldanha  instalou-se  um  cenário de  horror  e    provocações   ao   povo  de  Apodi.   Delineou-se, assim, um   truculento  cenário  banditício.  Esses  redutos de grupos  de  jagunços  colocou  os  seus  comandantes  em tal   situação  de  poderio, que   faziam  de  suas  prepotentes  vontades  a  LEI  DOS SERTÕES, e   que  para  exercê-la  não  hesitavam  em  cometerem  atos  violentos,  arbitrários  e  reprováveis.  Esses  grupos  viviam   a  depredar  e  perseguirem  a  população  apodiense, prontos  ao serviço, submissos  às  determinações  dos  despóticos  patronos.
          Em  1922  o ardiloso  Desembargador  FELIPE  GUERRA  traficou  influência    e indicou  o   seu  amigo  particular  JOÃO  DANTAS  SALES  para  assumir   como  Juiz  de  Direito  a   Comarca  de  Apodi,  tendo  como  objetivo  proteger  e  tutelar  os  desmandos e
atos  de   infração  à  lei  e  ataques  à  vida  e  a   propriedade.  Benedito  e  Quinca  Saldanha  eram  os  protetores  de  Massilon, que se  julgava  afilhado  de  Quinca  Saldanha.
MASSILON
           No   processo-crime  de  nº  486, instaurado  em   03.05.1925   consta  vários  depoimentos  de  respeitáveis cidadãos apodienses, dando  conta  de  que  o  então  Juiz   de  Direito  da   Comarca   João  Dantas  Sales  acolhia  e   hospedava, às  escâncaras,  em  sua  residência  em   Apodi, os  bandoleiros  Benedito  e  Quinca  Saldanha.  Era  a  trinca  sinistra  comandando   a
desordem  e  instalando   o  pânico.   A  pública  ligação  pessoal  e  política   do   Juiz  João  Dantas  Sales, que  ocupou  a  titularidade  da  comarca  de  Apodi  no   período  1922-1925,   com  Benedito  Saldanha/Quinca, Décio   Holanda/Tilon  Gurgel, Martiniano  Porto/Juvêncio  Barreto,  influenciou-o  para  alterar   a  exação  que  norteia  e  é  dever  do   Magistrado.   Adotou  ignóbil   proteção  e  parcialidade  quando  Benedito  Saldanha   foi  julgado  pelo  Tribunal  Popular  do  Júri  em  Apodi, por   ter  espancado   o  Sr.  Francisco  Noronha  e  uma  moça  de  nome  Maria  Lúcia,  filha   do  velho  Carneiro.   Contribuiu  para  a  absolvição  de  Décio  Holanda   quando   submetido  a  julgamento  no   Tribunal  Popular  do  Júri,  por  ter  atirado  e  ferido   gravemente  um  rapaz  de  nome  Tertulino   Canela.  O  cinismo  e  a  desfaçatez  de  Felipe  Guerra  estão   delineados  quando  afirmou   que  "No  RN  não  há  cangaceirismo",  em  seu  livro  intitulado  "AINDA  O   NORDESTE" -  Pág. 79 -  Tipografia  do  Jornal  "A  República"  -  Ano  1927.
                                                                (Por  Marcos  Pinto).

(OBS:  Continua  na  Parte  II). 

Nenhum comentário: